Saber a hora correta para trocar o óleo do carro é muito importante para conservar o motor. Além de ajudar o propulsor a trabalhar na temperatura ideal, esse fluido evita o atrito de materiais metálicos. Quando ele não funciona corretamente ou é insuficiente, os resultados podem ser catastróficos.

Para que você não corra o risco de ter um motor fundido, leia o texto que preparamos. Vamos ensinar a identificar sinais de que o óleo não está bom e quando precisa ser trocado. Continue conosco!

Quilometragem recomendada ou prazo de validade atingido

Quando você coloca óleo em seu carro, existe uma quilometragem ideal para que a troca seja feita e ela depende do tipo de composto usado. Para fluidos de origem mineral, a substituição deverá acontecer a cada 5 mil quilômetros rodados e quando são sintéticos, esse valor é de 10 mil quilômetros.

O que muitos não sabem é que existe um prazo de validade para o óleo do motor, que é de 6 meses. Se após esse período a quilometragem não for atingida, ainda assim é preciso fazer a troca, pois, após esse tempo, o fluido perde parte de sua capacidade e podem começar a aparecer problemas, como aquecimento do motor.

Nível baixo

Sempre com o motor do carro frio, verifique o nível do óleo por meio da vareta de medição. Você vai perceber que existem duas marcações, que indicam um valor máximo e mínimo. Conforme o veículo anda, é normal que ele consuma o fluido e, se as trocas forem feitas nos períodos recomendados, normalmente não é preciso completar.

Caso perceba que o nível chegou ao mínimo e a troca esteja próxima do prazo, faça a substituição. Mas, se isso ocorreu após pouco tempo de uso do automóvel, complete com um fluido do mesmo tipo e procure por um especialista. O motor pode estar queimando óleo ou com vazamentos.

Óleo sujo ou com pedaços

Quando se fala em óleo sujo, muitos confundem com fluido escuro. É normal que após algum tempo de uso o material escureça, pois, ele retém as impurezas que iriam para o motor. Se você perceber que existem alguns resíduos brancos e até mesmo metálicos, é preciso fazer a troca.

Outro problema que indica que a troca é necessária são as famosas “borras”. São pedaços mais grossos de óleo e se parecem com uma borracha derretida. Nesses casos, é provável que o fluido já tenha perdido toda a sua eficiência e manter esse material circulando pelo motor vai prejudicá-lo.

Perda de viscosidade e barulhos estranhos no motor

A viscosidade do óleo impede que as partes metálicas presentes no motor do carro aqueçam por atrito. Podemos dizer que ela é a capacidade de escorregar do fluido. Com o passar do tempo e acúmulo de resíduos, o material perde essa característica, aumentando o desgaste das peças do propulsor.

Como resultado, você pode perceber uma mudança no barulho do motor e, em alguns casos, até uma perda de desempenho. Ao longo do tempo, as peças vão esquentar muito e é possível que aconteça algum dano bem sério no propulsor. Se notar que o óleo já não desliza entre os dedos, ele perdeu a viscosidade e deve ser trocado.

Luz de verificação do motor acesa

A maioria dos veículos vem com uma luz indicando quando o motor do carro está trabalhando fora das especificações. Em alguns casos, o causador desse problema é o óleo do motor. Quando esse aviso é mostrado, você deve procurar um especialista imediatamente, uma vez que pode se tratar de vários problemas. Mas, independentemente de qual seja, é possível que ocorram danos enormes ao carro.

Trocar o óleo do carro não é algo muito complicado e, em muitos casos, você mesmo pode fazer o serviço. Fique atento aos prazos de substituição, à qualidade do material e nunca utilize um fluido fora da especificação recomendada pelo fabricante do automóvel. Isso pode prejudicar o propulsor.

Gostou das informações e viu como é importante trocar o óleo do carro na hora certa? Então, não deixe de ler nosso texto sobre como funciona a bomba de óleo e fique mais por dentro do assunto!